quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Espaço

Há espaço no meu quarto,
espaço a mais.

Arrumo a vida e ela arruma-se em mim,
escondo a alma e ela mostra-se a ti,
fujo aos segredos e revelo o que não vi
e no fim apenas resta muito espaço
muito espaço no meu quarto.

Dei-te o meu abraço, o aconchego
protegi do frio as tuas mãos
mas tu congelaste a minha alma
afugentaste na noite o meu sossego
e transformaste em nada esse segredo
que se tornou espaço e nada mais...

MIGUEL AFONSO

2 comentários:

Felipa disse...

Quantas vezes somos apenas espaço
sem nada preencher esse vazio;
sentimos tanto a falta de um abraço
queremos acabar com esse frio
mas não conseguimos dar o passo
que nos conduziria ao paraíso...

JB disse...

Um espaço preenchido pelo vazio, que tanto espaço ocupa... mas no abraço precisamos de dois espaços vazios... e aí o frio vira calor, o gelo vira degelo e é uma enchente de amor nesse espaço vazio...

Lindos versos!
Beijinho