terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Num bar

Bebi um copo,
olhei ao redor do bar
à procura de um agradável corpo
a que me pudesse abraçar.

E vi-te… e perdi-te numa dança,
de copo na mão e olhar distante;
olhos de menina, alma de criança
num corpo de mulher, amada, amante…

Não voltei ao bar. Beber um copo
da bebida que eu bebia nessa hora
recorda-me o teu fado e o teu corpo
e o fogo do ciúme me devora…

Miguel Afonso

3 comentários:

JB disse...

Às vezes há olhares que marcam para sempre... Encontros casuais que ficam a fazer parte da vida da gente.

Gostei!

beijinho

Silviah Carvalho disse...

No seu perfil disseste que não sabe escrever, discordo, escreve muito bem e com muito valor literário.
Não desists. ;)

Isabela disse...

Saudades das tuas letras; espero tê-las novamente em breve,fazem-me muito bem!