sábado, 16 de julho de 2011

Esperança sombria

Em toda a esperança fugidia
que iluminava o meu pobre coração
nenhuma espera era mais sombria
do que esperar de ti doce afeição.

Nenhum segredo impunha nostalgias
nenhuma sombra me era mal amada
só o meu peito guardava as feridas
recebidas em certa madrugada.

E eu fingia, fingia que sabia
o medo que envolvia o teu olhar
e era uma esperança fugidia
a que vinha para me atormentar.

Atormentado fui, e as marés
de sonhos e magias que enfrentei
depositaram-me na areia, aos teus pés
e aos teus pés pra sempre me quedei.

MIGUEL AFONSO

2 comentários:

Bartolomeu disse...

Em toda a esperança existe inquietude.
Em cada a batalha, existem duas certezas: a derrota; e a vitória. Vence sempre aquela que se fundamentar na vontade e no querer.
;)

Felipa disse...

Esperança alimenta o sonho.