segunda-feira, 25 de abril de 2011

Suspiro

Suspiro na noite
arrastando sentidos na calada
espera insatisfeita de um acaso
e nenhuma estrada.

Tardiamente acordei
para a sensatez de amar e ver
todos os defeitos que o amor
tem de ter.

Espera angustiada
na noite um suspiro se estende
e atravessa céus e oceanos
onde se rende.

Rende-se à dor
ao desejo de amar e não saber
se os teus defeitos são as qualidades
que pretende.

Miguel Afonso

2 comentários:

JB disse...

Obrigada, Miguel!
Regresso de mansinho :) e por aqui vejo que a noite também se faz poema, e todos os suspiros têm defeitos e virtudes...

Beijinho!

Amapola disse...

Boa tarde, querido amigo Afonso.

Lindo... Esse amor que lateja!!

Um grande abraço.
Tenha uma linda semana de paz.